Sábado
25 de Junho de 2022 - 
ADVOCACIA HOLISTICA - DIREITO HOLISTICO
CONFIANÇA E CREDIBILIDADE FAZ A DIFERENÇA
ADVOCACIA PREVIDENCIÁRIA - TRABALHISTA - CÍVEL - SERVIDOR PUBLICO
APOSENTADORIAS - REVISÕES - PENSÕES

CONTROLE DE PROCESSOS

Caro Cliente, cadastre seu e-mail, e acompanhe seu processo. DJALMA LEANDRO

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

NOTICIAS

Newsletter

Favor cadastrar-se informando seu e-mail, para contatos, sugestões e criticas.

COTAÇÃO DA BOLSA DE VALORES

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

COTAÇÃO MONETÁRIA

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,23 5,23
EURO 5,51 5,52
IENE 0,04 0,04
LIBRA ES ... 6,42 6,42
PESO (CHI) 0,01 0,01
PESO (COL) 0,00 0,00
PESO (URU) 0,13 0,13
SOL NOVO 1,38 1,39

ENDEREÇOS

DJALMA LEANDRO SOCIEDADE ADVOCACIA

RUA FREDERICO SIMÕES 85 EDF. SIMONSEN SALA 509
CAMINHO DAS ARVORES
CEP: 41820-774
SALVADOR / BA
+55 (71) 32432992

RIO DE JANEIRO/RJ

Rua Silva Cardoso 521 Torre A sala 521
Bangu
CEP: 21810-031
Rio de Janeiro / RJ

Supremo avança na integração eletrônica com o STJ

Em mais um passo para a integração digital do Supremo Tribunal Federal (STF) com os tribunais do país, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) aderiu recentemente a mais duas operações do Modelo Nacional de Interoperabilidade (MNI). Agora, tanto a devolução como a baixa de processos entre as duas Cortes, principalmente Recursos Extraordinários (REs) e Recursos Extraordinários com Agravo (AREs), são realizadas pelo novo modelo implantado.O MNI é um protocolo para intercâmbio de informações de processos judiciais e assemelhados entre os persos órgãos de administração de justiça e serve de base para implementação das funcionalidades pertinentes no âmbito do sistema processual. Atualmente, a versão do modelo adotada pelo STF para integração é o 2.2.2. Sua principal vantagem em relação à versão anterior é a realização das operações em tempo real.CeleridadeUma vez realizada a devolução ou a baixa do processo pelo Supremo, o STJ o recebe imediatamente nesse novo formato. Antes disso, o procedimento dependia de uma interação humana. De acordo com o coordenador de Integração Institucional da Secretaria de Gestão de Precedentes do STF, Adriano Leal, o desenvolvimento das duas novas operações otimiza o trâmite processual e simplifica procedimentos de ambas as Cortes.A devolução administrativa de recursos aos Tribunais pelo Supremo ocorre quando não há condições necessárias para seu processamento, como a falta de peças essenciais. Já na baixa, o processo retorna ao Tribunal após decisão do STF.O Superior Tribunal de Justiça foi o primeiro tribunal a implementar o MNI com o STF, mas, naquela ocasião, desenvolveu apenas três operações do modelo: remessa, reenvio e envio complementar de peças. Agora, falta apenas uma operação para o STJ aderir integralmente ao protocolo, o declínio de competência, o que deve ocorrer ainda neste ano.Redução de custosPara a secretária Judiciária do Supremo, Patrícia Pereira de Moura Martins, o impacto da adesão do STJ a mais duas operações do MNI é muito positivo. “Com esse formato, eliminamos o envio de mídias ou e-mails ao STJ, para baixar definitivamente recursos e processos declinados. Com a automação efetiva da atividade de baixa, ganhamos em celeridade processual e redução de custos para o Tribunal.”Maior integraçãoNo início da gestão do presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, apenas dois tribunais usavam o MNI: o STJ e o Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE). Atualmente, são nove, incluindo o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), as Justiças Federais do Paraná, do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Tribunal Superior do Trabalho (TST) e o Tribunal de Justiça do Tocantins (TJ-TO).Outros seis estão em fase de desenvolvimento: os TRFs da 1ª e 2ª Regiões e os TJs de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Santa Catarina. No total, 415 unidades judiciárias são integradas ao Supremo, sendo que 406 utilizam outro sistema para o envio de processos, o STF Tribunais.SegurançaDe acordo com o Secretário de Gestão de Precedentes, Marcelo Marchiori, cerca de 62,76% dos recursos chegam ao Supremo pelo MNI e o STJ é responsável por 52% desse número. “É um valor muito expressivo”, aponta. Ele destaca ainda que o modelo traz mais segurança e celeridade na tramitação dos recursos.Segundo o secretário-geral da Presidência do STF, Pedro Felipe de Oliveira Santos, “o STF tem incentivado continuamente os Tribunais do país a aderirem ao MNI e apoiado concretamente as iniciativas”, Ressalta, ainda, “a importância do STJ como grande parceiro em várias iniciativas e, em especial, nas afetas à integração, fortalecendo a atividade jurisdicional de ambas as Cortes”.Conheça o Portal de Integração do STF.
17/05/2022 (00:00)
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
VISITAS NO SITE:  8443011